Monthly Archives: janeiro 2015

Marcha Mundial das Mulheres e Levante Popular da Juventude realizam escracho à atlética da Medicina da USP

Por Maria Júlia Montero*

Fonte: Marcha Mundial das Mulheres

A Marcha Mundial das Mulheres, em conjunto com o Levante Popular da Juventude, realizou, na manhã desta quarta-feira, 21, um escracho à Atlética da Faculdade de Medicina da USP – AAAOC, Associação Atlética Acadêmica Oswaldo Cruz. A ação se deve às denúncias de estupro e violações dos direitos humanos em geral ocorridos na universidade, envolvendo a referida entidade estudantil.
A ação tem como objetivo denunciar os casos de violência contra a mulher ocorridos na universidade, nas festas e trotes, e o silêncio da instituição. Além disso, visa denunciar a cultura do estupro perpetuada pelas ações da atlética, desde seus hinos, até os cartazes de divulgação de festas.

medusp_fantasias10

A violência nas universidades

Desde o ano passado, inúmeras denúncias de violências na Universidade de São Paulo (e muitas mais) vieram à tona, principalmente na Faculdade de Medicina, o que levou à realização de audiências públicas sobre o tema pela Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do Estado de SP – ALESP, e posterior instalação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar os casos, não só da USP, mas de todas as universidades paulistas, públicas ou privadas.
A violência ocorrida nas universidades se dá principalmente pelo ambiente altamente hierárquico, que se escancara em momentos como os trotes, festas e competições esportivas. Algumas músicas cantadas pela atlética, por exemplo, fazem referências a estupros, principalmente ao falar de outras universidades, como a Unifesp (Escola Paulista de Medicina). Além disso, são extremamente racistas e homofóbicos. Isso cria um ambiente em que todos esses tipos de violência são considerados normais.
As festas também são locais em que ocorrem diversos tipos de violência. Mulheres são dopadas para que se possa abusar delas, e há o “bosque” e tendas estilo “dark room”, em que dificilmente se pode ver ou escutar se a mulher está desmaiada ou gritando. Vale lembrar que no referido “bosque” só são permitidos casais heterossexuais, e que alunos homossexuais já foram agredidos por irem ao local.
10939432_821116354627931_593347588_o
Todos esses casos são conhecidos pela Universidade, porém, o que se vê ou é o silêncio completo por parte de sua administração, ou mesmo a ridicularização daqueles/as que denunciam, como as recentes declarações do reitor Marco Antonio Zago, em que afirmou que as denúncias são um processo inquisitorial contra a Universidade.
Nós, da Marcha Mundial das Mulheres e do Levante Popular da Juventude não aceitaremos mais a violência. Seguiremos mobilizadas até que a universidade admita que esses casos existem, puna os responsáveis de acordo com suas competências administrativas e acadêmicas e encaminhe os casos para as autoridades jurídicas.

A violência contra a mulher não é a USP que a gente quer!
Se não houver justiça, haverá escracho feminista!
Seguiremos em marcha até que todas sejamos livres!

Obs.: Confira o vídeo realizado pela MMM sobre o assunto aqui.

*Maria Júlia é militante do Núcleo Helenira Resende da MMM/SP, antigo Núcleo USP.


Juventude de Manaus se mobiliza contra o aumento da passagem

Cerca de 100 pessoas se reuniram em frente a sede da prefeitura de Manaus, na última segunda (19). O ato buscou denunciar o reajuste no preço da tarifa do transporte público, de R$2,75 para R$3,00.

DSC_0063

Outro ato já está marcado para a próxima sexta-feira (23). Em todo o Brasil a juventude está mobilizada contra os aumentos abusivos nas tarifas do transporte e pelo passe livre. Essa é uma luta fundamental para o direito à cidade e afeta diretamente a juventude mais pobre e a classe trabalhadora.

IMG_9457437034267


Para o passe livre passar: Contituinte Já!

Por Laryssa Sampaio, militante do Levante em São Paulo.

No última dia 16, ocorreu o 2º ato contra o aumento da passagem em São Paulo, puxado pelo Movimento Passe Livre (MPL). A concentração começou às 17h na praça dos Ciclistas, encontro da avenida Paulista com Consolação, e uma assembleia foi organizada para a discussão do trajeto a ser seguido. Ali já estavam mais de 7 mil jovens, ansiosos e atentos para discutir os rumos da manifestação.

received_697284477059002

Foram defendidas 5 propostas de trajeto. Nós, do Levante Popular da Juventude, optamos naquele momento por apresentar à Plenária a opção de trajeto que guiou a manifestação: Consolação – Prefeitura – Secretaria de Transportes. A escolha foi baseada na análise de que Haddad e Alckmin têm responsabilidades iguais para que o aumento da tarifa seja revogado e para ampliação do Passe Livre.

Assim, avaliamos que o melhor seria passar na Prefeitura, fazer uma intervenção, e encerrar na Secretaria de Transportes, que tem o governo do Estado como ‘chefe’. Atingiríamos através do trajeto os dois principais responsáveis pelo aumento. Além disso, encerrar na Secretaria de Transportes significaria atingir também o principal administrador público do estado de SP, Alckmin, que sempre é blindado pela grande imprensa.

Deve-se destacar uma grande diferença: o projeto proposto por Haddad, que garante o não aumento para para todos os usuários de bilhete único temporário, nas modalidades mensal, semanal e diário (com validade de 24 horas), e passe livre para estudantes de escola pública, já foi aprovado. Já no governo estadual, o Governador encaminhou para a Assembleia Legislativa de São Paulo (ALESP), o mesmo projeto. A ‘casa’ está atualmente em recesso. As atividades da ALESP estão inativas até 01 de fevereiro deste ano, o que significa que até lá as coisas continuam como estão: com aumento e sem passe livre.

É preciso lembrar que, mesmo com o projeto encaminhado para a assembleia, a possibilidade dele não ser aprovado existe, mais um dos motivos que apontam Alckmin como um alvo prioritário. É importante ressaltar a importância do transporte sobre trilhos. O sistema metroferroviário paulista (Metrô, CPTM e ViaQuatro), sob responsabilidade do Governo do Estado, bateu recorde de passageiros transportados em 2013 – 2.092 bilhões de usuários -, segundo o site do MetroSp (http://migre.me/oaSey). O número representa mais de 75% de todas as pessoas transportadas por trens e metrôs em todo o Brasil.

received_697284817058968

São as linhas desses veículos que diariamente atingem as periferias de São Paulo, onde estão os mais pobres, aqueles que geralmente usam o bilhete comum ou pagam as passagens com dinheiro, logo, é essa parcela da população que será mais atingida pelo reajuste. Em contrapartida ao crescente valor da tarifa, esse mesmo sistema de transporte, gerido pelo Geraldo Alckmin, teve no ano passado 33 pessoas indiciadas pela Polícia Federal.

O inquérito investiga a formação de cartel em licitações no metrô e na companhia de trens no governo de São Paulo, entre 1998 e 2008, período em que estado era administrado pelo PSDB, partido do atual governador (http://migre.me/oaU0s ). As irregularidades nas licitações provocaram prejuízo de R$ 834 milhões aos cofres públicos e os indiciados, processo que corre sob segredo de justiça. Nele, os acusados são inquiridos pelos crimes de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, evasão de divisas, formação de cartel e crime licitatório.

Outro fator que coloca o governador Alckmin como nosso inimigo é a forma truculenta que a Polícia age. Alguém aqui tem dúvidas que a Polícia Militar faz parte de um órgão do Governo Estadual?! É essa polícia que durante 5 anos ficou na lista das polícias que matavam mais que todas as polícias dos EUA juntas (http://migre.me/oaSwv). Polícia que no primeiro semestre de 2014, matou 424 pessoas, uma média de 5 mortos a cada 2 dias; no mesmo período, em 2013, a média era de 3 mortes a cada 2 dias (http://migre.me/oaSza). É essa a polícia também que tem suas armas apontadas para 3 vezes mais para negros do que para os brancos (http://migre.me/oaSAl).

Esta polícia tem reprimido nossos atos. Na sexta-feira, 16 de janeiro, ela estava preparada para uma guerra. Guerra que ela mesma provocou com a justificativa de ter sido atingida por uma garrafinha de água, talvez motivada pela preocupação republicana com a atual falta d’água no estado. Foi essa polícia que iniciou ataques violentíssimos e cercou a manifestação com latas e mais latas de gás lacrimogêneo enquanto estes faziam um jogral para que o ato seguisse em direção à Secretaria de Transportes do governo do Estado. Vejam: https://www.youtube.com/watch?v=3SvPItJwPs0&sns=fb

Um outro ponto que para nós não pode ser esquecido foi a auditoria feita pela empresa de consultoria Ernst&Young, contratada pelo governo Haddad com o intuito de abrir as planilhas dos convênios da Prefeitura com as empresas de ônibus. A auditoria aponta questões de ordem econômica e estrutural em que empresas apresentam o lucro estipulado em 2003 de 18% quando adequado é que essa remuneração seja de 7,2%. Ou seja, as empresas apresentam uma margem muito elevada.

received_697284623725654

No que tange a estrutura, ou falta dela, a Ernst&Young constatou que uma em cada dez viagens programadas (e pagas) não é realizada pelas empresas, o que faz com que os coletivos rodem mais cheios e o cidadão fique mais tempo no ponto esperando. Foi também encontrado um superfaturamento no que diz respeito ao custo de combustível que nas planilhas das empresas apresentavam um preço acima do mercado. Além disso, dados recém-divulgados pela auditoria revelam como três família – Ruas, Belarmino Marta e a Saraiva -, controlam os ônibus de São Paulo (http://www.sptrans.com.br/verifica/).

Ainda este ano os contratos em vigor com as empresas concessionárias atuais chegarão ao fim, isso significa que serão abertas novas licitações para o estabelecimento de novas bases para as concessões. Para nós, este é o momento de disputarmos a qualidade do serviço e o financiamento, é o momento de garantir a ampliação das gratuidades, além de somar forças para que também sejam reduzidas as passagens para o metrô e CPTM.

Para isso, queremos a ampliação do Passe Livre, a revogação imediata do aumento da passagem e a abertura de uma comissão composta pela sociedade civil e membros da prefeitura, para que comecem os trabalhos no que tangem aos rumos do transporte público e, como consequência, pelo direito à cidade. Além da necessidade, cada vez mais urgente e clara, de uma reforma no sistema político realizado através de uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político. Através dela podemos barrar a influência desproporcional do poder econômico sob as instituições. Só com ela conseguiremos mudar e disputar os rumos da forma como se faz política em nosso país.

received_697285423725574


Inicia II EIV na Bahia

Teve início no último dia 10 de janeiro, o II Estágio Interdisciplinar de Vivência em Assentamentos e Comunidades Rurais (EIV) do estado da Bahia, na cidade de Juazeiro, semi árido baiano.
O II EIV BA está sendo realizado pelo Levante Popular da Juventude, MPA, MST, IRPAA, MAB, ENEBIO, FEAB E ABEEF.
Com muita mística, disciplina e animação, conta com mais de 45 estagiários de diversos cidades baianas e estados do país.

1 (1 de 1)-8

Na sua primeira etapa, realizada entre os dias 10 e 16/01, contou com formações e debates em torno de temas como Economia Política, Questão Agrária, Questão Energética, Educação e Universidade, Questão Racial, Feminismo, Diversidade Sexual e de Gênero, Projeto Popular e a Constituinte, dentre outros.

As 2ª e 3ª etapas do Estágio de Vivência estarão acontecendo entre os dias 17 e 26/01, quando será finalizado o Estágio.
Os estagiários voltarão para seus locais de origem com uma experiência riquíssima e com a tarefa de dar continuidade a luta pela transformação da sociedade.

Saiba mais acessando https://www.facebook.com/2eivbahia

1 (1 de 1)-9


NO CEARÁ, LEVANTE POPULAR DA JUVENTUDE REALIZA ATO CONTRA O AUMENTO DA PASSAGEM

10935084_808330489238921_1209049914_o

Levante Popular da Juventude Ceará e MOTU (Movimento Organizado das Trabalhadoras e Trabalhadores Urbanos) promoveram ato contra o aumento da passagem e passe livre para estudantes e desempregados/as nesta última quinta-feira (15).

O ato teve concentração na Praça da Bandeira e reuniu cerca de 200 pessoas rumo ao Palácio do Bispo, sede pra Prefeitura, para denunciar o aumento da passagem do transporte de Fortaleza, que foi de 2,20 para 2,40. Além de repudiar o aumento da passagem, foi reivindicado passe livre para estudantes e desempregados.


Páginas:123