Monthly Archives: abril 2016

MANIFESTO DOS JOVENS DA FRENTE BRASIL POPULAR

Estamos aqui para dialogar com a nossa geração. Uma geração que tem lembranças do que era o Brasil dos anos 80 e 90, mas viveu maior parte da sua vida nos anos 2000.  Geração que, em sua grande maioria, aprendeu que política é para os outros e terceirizou a luta na crença de que alguém, como em um toque de mágica, iria resolver todos os problemas e garantir nossos direitos.

Nós, jovens dos movimentos sociais que compõem a Frente Brasil Popular, estamos aqui para conversar com vocês. Cada um de nós tem suas criticas e leitura de como viemos parar nesse momento, mas isso só nós faz querer ir para dentro dos movimentos. Na política não há espaço vazio. Se nós não fizermos, alguém vai fazer por nós e vamos continuar nos queixando de que não temos espaço nas instituições.

Estamos em um momento de mudança, onde os diretos que muitos acreditam ser impossível perder, estão sim em risco. Para nós que crescemos depois da constituição de 88, defender a democracia pode parecer abstrato, mas essa foi uma conquista concreta pela qual muitos deram suas vidas.

Democracia quer dizer participação de todas e todos, independente da orientação sexual, do nível de escolaridade, da religião, da classe social, da raça ou etnia. Temos o direito de exercer nossas individualidades e participar de todos os espaços público e privado.

Nos últimos anos, muitos começaram a ter acesso a espaços antes inimagináveis, como uma simples viagem de avião, estudar em uma universidade, ou ter uma mulher na presidência do pais.

Isso assusta aos que sempre monopolizaram o poder. Aqueles que nunca gostaram de dividir sequer a areia da praia com o povo da “farofada” e frequentar os mesmos espaços com quem “não tem berço”.

O que está em risco não é simplesmente o governo Dilma. São os direitos trabalhistas, o ensino e a saúde pública, o direito de nos organizarmos e manifestarmos, O que está em jogo para nós são direitos tão básicos, que muitos não acreditam ser possível perder, porque já crescemos com eles. Infelizmente a história nos mostra que não foi sempre assim, e que é possível retrocessos.

O projeto do Temer “Ponte para o Futuro” defende a redução de programas sociais (FIES, Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida). Não deixa claro quais serão afetados para não gerar revolta na população, esconde o que pretende fazer e só deixa claro que haverá cortes. Se olharmos alguns projetos que estão no Congresso, as ameaças ficam ainda mais evidentes:

–  Terceirização e fim da CLT. (PL4330 e PL4193)

–  Privatização de todas empresas públicas e entrega do Pré-Sal (PL555 e PL6726)

– Estatuto da Família, retrocesso para LGBTs e mulheres (PL6583)

–  Maioridade Penal (PEC115)

– Nascituro (bolsa estupro) e Alteração do Código Penal sobre aborto (PL478  e PL5069)

A única forma de barrarmos essa ofensiva é que cada um participe dessa luta na forma em qual mais se identificar, pois as soluções não caem do céu.

Nós escolhemos lado e participamos dos movimentos que compõem a Frente Brasil Popular, e você, está esperando o quê para tomar posição?


51 ANOS DE MANIPULAÇÃO QUE TEM NOME: REDE GLOBO

Hoje a Rede Globo comemora uma concessão que já dura 51 anos. Conquistada pelo demérito de apoiar o golpe militar de 1964. Isso significa que por mais de meio século, está nas mãos da família Marinho e das corporações que anunciam nela, a permissão para entrar na casa de mais de 67 milhões de brasileiros. Assim, defendem e fazem publicidade de suas ideias e dos seus interesses particulares por meio dos jornais, dos programas e das novelas, com roteiros pensados e escritos para conduzir o modo de consumir, de agir e de pensar da sociedade.

Essa história de que o jornalismo é imparcial, não passa de uma desculpa para dar a leviana aparência de neutralidade às reportagens e aos roteiros. Não fosse isso, a Rede Globo não concentraria em suas mãos a propriedade cruzada de todos os tipos de veículos de comunicação. Padroniza seu discurso na TV, em jornal impresso, em rádio, em portais eletrônicos e em revistas.

Nossos inimigos são grandes, nossos inimigos são muitos.

Com o acirramento da luta de classes e a polarização das forças nos últimos meses no Brasil é possível hoje, com segurança, apontarmos os dedos para aqueles que definitivamente não estão do lado dos trabalhadores. A Rede Globo é nossa inimiga!

Sim, as condições poderiam ser melhores se por exemplo, ao longo dos últimos 13 anos de governos progressistas tivesse sido realizada no Brasil uma reforma de meios como a realizada na Argentina pelo governo Kirchner. Isso sim, possibilitaria a entrada de outras vozes, não só a das corporações, nas casas dos milhões de brasileiros que assistem diariamente televisão. Como não foi feita, cabe a nós usarmos nossa criatividade para dar conta de fazer o contraponto ao discurso padronizado e elitista que chega à nós como verdade.

Frente à tantas tramoias, manobras e um combate que as vezes nos parece invencível quando olhamos para o tamanho de nossos inimigos, podemos correr o risco de perder o ânimo, de achar que tudo já está entregue ao poder do imperialismo e da burguesia que assola nossos direitos diariamente. Mas, entregar o jogo e desanimar não é uma opção. Por mais contraditório que pareça, estamos mais perto dos nossos objetivos do que nunca estivemos.

Novas possibilidades de se fazer comunicação tem emergido como instrumentos de enfrentamento ao discurso pronto e alinhado das emissoras de TV e rádio que dominam as concessões públicas. Essas concessões nunca estiveram de fato, nas mãos do povo. Por isso, o povo tem a vanguarda da criatividade para criar mecanismos de levar até os trabalhadores, às periferias e ao campo a informação por outra perspectiva.

Se na década de 1980 eram os jornais sindicais entregues nas portas das fábricas e as rádios-poste que cumpriam essa tarefa, hoje temos os jornalistas livres, a mídia independente, as redes sociais, o Brasil de Fato distribuído nos terminais, a TV dos Trabalhadores, os blogueiros progressistas e tantos outros meios que surgem a cada dia.

Esses veículos não são imparciais, eles também tem um lado e defendem os interesses de uma classe, mas o que os faz diferentes é que contam com a participação de setores da sociedade para a sua construção. Não são meros veículos de comunicação massiva, têm o dedo do povo, que propõe pautas, que são os jornalistas mesmo sem a graduação que os dê título para isso. É o sujeito de sua realidade pautando a sua própria realidade.

Se conseguimos construir inúmeras alternativas para produzir informação pelo povo e para o povo sem ter a concessão das emissoras abertas, imagine o estrago que faríamos com essas mídias nas mãos.

Com os pés no chão e as mídias nas mãos, seguiremos lutando por uma mídia democrática!


POR QUE ESCRACHAMOS JAIR BOLSONARO?

Hoje, 24 de abril de 2016, nós do Levante Popular da Juventude escrachamos o deputado Jair Bolsonaro, um dos maiores inimigos do povo.

Assim como fizemos com os torturadores da Ditadura em 2012, com a Rede Globo em 2013, com Eduardo Cunha em 2015 e com o Temer esta semana, deixamos aqui as razões que nos levaram a escrachar Jair Bolsonaro:

Bolsonaro é golpista: ele um dos principais apoiadores do Golpe em curso. Ele está protagonizando o afastamento de uma Presidente que não cometeu nenhum crime de responsabilidade, e não carrega nenhuma denúncia de corrupção. Este impeachment é um golpe parlamentar e midiático cuja principal acusação recai sobre práticas contábeis exercidas por diversos presidentes e governadores.

Bolsonaro é órfão da ditadura militar:  Ele já disse que o “erro da ditadura foi torturar e não matar”. Em seu discurso na votação do impeachment homenageou o Coronel Brilhante Ustra, um dos maiores monstros que aquele regime terrível criou – também escrachado por nós.

Bolsonaro é inimigo das mulheres: Em diversos momentos Bolsonaro deixou claro que é contra qualquer direito para as mulheres e disse frases como “Mulher deve ganhar salário menor porque engravida”. Em outra situação agrediu moralmente a deputada Maria do Rosário com a seguinte frase: “Só não te estupraria porque você não merece.

Bolsonaro é inimigo dos LGBTs: ele constantemente dirige ataques à comunidade LGBT com declarações de ódio. O caso mais recente disso, foi também no 17 de abril, em plena votação do processo do Impeachment: o deputado segurou placas com ofensas ao deputado Jean Willys.

Bolsonaro é corrupto: apesar de o discurso da corrupção ser o principal argumento difundindo pelos golpistas para o afastamento de Dilma, Bolsonaro já foi citado em diversos casos de corrupção como Furnas e a operação Lava-Jato. Ele também é acusado de ter diversos imóveis não declarados.

Por estes motivos é que dizemos: Jair Bolsonaro não nos representa e não representa o povo brasileiro. Não descansaremos até que a democracia seja reestabelecida.

Não vamos aceitar o golpe!

Machistas, racistas e homofóbicos: NÃO PASSARÃO!

Pátria livre, venceremos!

Foto destaque: Mídia Ninja

POR QUE ESCRACHAMOS MICHEL TEMER?

Nesta quinta-feira, 21 de Abril de 2016, o Levante Popular da Juventude realizou um escracho em frente à residência de Michel Temer, no Bairro Alto de Pinheiros em São Paulo. Além de denunciar a sociedade que esta casa é o Quartel General do Golpe que está em curso, entregamos simbolicamente a Constituição Federal que vem sendo rasgada pelo Vice-Presidente e seus apoiadores.

Assim como fizemos com os torturadores da Ditadura em 2012, com a Rede Globo em 2013, e com Eduardo Cunha em 2015, deixamos aqui as razões que nos levaram a escrachar Michel Temer:

1- Temer é Golpista: um dos principais operadores do Golpe em curso chama-se Michel Temer. Ele está protagonizando o afastamento de uma Presidente que não cometeu nenhum crime de responsabilidade, e não carrega nenhuma denúncia de corrupção. Este impeachment é um golpe parlamentar e midiático cuja principal acusação recai sobre práticas contábeis exercidas por diversos presidentes e governadores. Além disso, ainda que as pedaladas constituíssem um crime, o próprio Temer deveria ser afastado na medida em que ele também assinou os mesmo decretos que Dilma. Portanto, Temer não é um vice-decorativo, ele está dirigindo um golpe de estado, para usurpar a cadeira presidencial.

2- Temer é Corrupto: embora o discurso da corrupção seja o principal argumento difundindo pela imprensa, e impregnado no senso comum, para o afastamento de Dilma, se há alguém envolvido em denúncias de corrupção é Temer. Além de ser citado em delações da Lava-Jato, Temer já teve seu nome citado 21 vezes em planilhas da Camargo Correa (Operação Castelo de Areia). O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, divulgou indícios de que Temer recebera R$ 5 milhões da OAS. Essa grave crise politica que o país se encontra não teria chegado a este ponto não fosse a aliança entre Temer e Cunha, ambos do PMDB. Caso o Golpe se concretize, Eduardo Cunha será o grande responsável por conduzir Temer a presidência, o mesmo Cunha das contas secretas na Suíça. Esta é a saída para combater a corrupção no Brasil, promover Temer à presidente e Cunha à vice?

3- Temer é Conspirador: não há registro na história política brasileira de um vice-presidente que tenha conspirado para derrubar um presidente. Mesmo sendo parte diretamente interessada no impedimento da Presidente, Temer não se envergonha de conspirar abertamente para a aprovação do impeachment. Interferiu decisivamente no resultado da votação do Congresso, a partir da promessa de cargos no seu pretenso governo. Já articula um Ministério mesmo sem a conclusão do processo de afastamento de Dilma. Promovemos esse escracho no dia 21 de Abril em memória à Tiradentes, herói da República, mas sobretudo pela trama de traição, promovida por Silvério dos Reis, que marca a execução de Tiradentes pela Coroa. Temer não conspira somente contra a Presidente Dilma, Temer está conspirando contra o Brasil.

4- Temer é a Ponte para o Abismo: como já foi apresentado publicamente o programa político do governo Temer, chamado de “Ponte para o futuro”, é na verdade o retorno ao velho e desastroso programa neoliberal, implementado pelos tucanos. Este projeto representa a diminuição dos direitos sociais, e a privatização de setores estratégicos do país. Já foram anunciadas medidas como: reformas nas leis trabalhistas, o que significa redução de direitos; fim da politica de valorização do salário mínimo; diminuição dos investimentos em saúde e educação; a entrega do Pré-sal para as multinacionais do petróleo, privatização dos bancos públicos, como a Caixa Econômica. Além disso, a coalisão conservadora e fundamentalista que sustentará esse projeto implicará necessariamente na restrição de direitos civis, de mulheres, negros, indígenas e LGBTs, historicamente excluídos pelo Estado, e que obtiveram conquistas importantes no último período. Portanto, essas medidas vão afetar drasticamente a vida do povo brasileiro.

Por estes motivos é que dizemos: Michel Temer não nos representa, não representa o povo brasileiro. E se vier a assumir a presidência, não seremos governados por ele, pois esse é um governo ilegítimo, fruto de um golpe articulado por um Congresso imoral e corrupto em conluio com uma elite autoritária e reacionária. Não descansaremos até que a democracia seja reestabelecida.

Lutaremos até o fim desta farsa, não temos nada a temer.

Pátria Livre, Venceremos!

21 de Abril de 2016

 

 


[PAPO RETO] De cabeça erguida, gritamos: ou para o golpe ou paramos o Brasil!

Por Palmares, por Canudos, pelo Levante Negro da Revolta dos Malês, por Eldorado do Carajás, por Negra Zeferina e por Olga Benário, não vamos baixar nossas cabeças. Pelo contrário, o momento é difícil e por este motivo temos que beber na fonte dos nossos ancestrais para alimentar a nossa mística, resistir e avançar na luta. A vida nunca foi fácil para a classe trabalhadora, para o povo brasileiro, para os negros e negras, para os LGBT, Sem-Teto e Sem-Terra. A nossa luta é histórica e nesse momento perdemos uma importante batalha. Mas, com toda certeza do mundo podemos afirmar que não perdemos a guerra. Temos um mundo pela frente recheado de batalhas e muita luta. Não podemos esquecer que nesta mesma data da aprovação do Impedimento da Presidenta Dilma ocorreu há 20 anos atrás, outro golpe na classe trabalhadora. O Massacre de Eldorado dos Carajás como ficou conhecida e até hoje impune reflete o caráter genocida das elites brasileiras.

Se calarmos até as pedras gritarão!

Está nítido que aquele ‘show de horrores’ no último domingo (17/04/16) não se resume simplesmente a uma luta partidária. É bem verdade que os partidos da direita mostraram abertamente o quanto são golpistas, conservadores e que odeiam o povo brasileiro. Porém, esses partidos e indivíduos desprezíveis estão representando seus próprios interesses, pois, são parte da elite. A guerra é contra os setores da burguesia que se unificaram para tentar destruir as conquistas sociais, os direitos trabalhistas, fazer uma reforma da previdência para ampliar a idade da aposentadoria, além de tentar destruir os movimentos sociais e organizações da esquerda. São elas, a Fiesp, CNA e CNI entre outras organizações patronais, além da burguesia internacional imperialista que estão de olho nos nossos recursos naturais, sobretudo o pré-sal. A Rede Globo que tem o golpismo em seu DNA atua como o principal porta-voz desses setores da burguesia interna e internacional.

Perdemos a batalha na votação no congresso, porém, ganhamos nas ruas e isso não é pouca coisa. Tem muitos anos que não vemos as ruas tão cheias, com uma ampla unidade dos movimentos sociais, partidos, coletivos e organizações sindicais. Ganhamos nas universidades, os artistas desse país estão se colocando em luta, os juristas, as torcidas organizadas e muitos outros virão e ampliarão as fileiras da luta. Estamos reascendendo a chama da classe trabalhadora, revivendo períodos de grande mobilização de base e transformando em luta de massas. O entendimento que devemos compartilhar é que só através da luta de massas conquistaremos a vitória.

As declarações dos parlamentares que votaram SIM ao Golpe, além de desrespeitar a Constituição e a Democracia, revelam um profundo ódio ao povo Brasileiro. Exemplo disso foram as declarações do Deputado Bolsonaro, que homenageou no momento de seu voto o torturador e assassino Brilhante Ustra, capataz da Ditadura Militar no Brasil. Esse e outros deputados golpistas tiraram a máscara e pedagogicamente contribuiu para que o povo entendesse os limites do parlamento e daqueles que votaram SIM ao Golpe, contra o Brasil e contra o povo Brasileiro.

O povo Brasileiro está indignado com tamanha aberração dos golpistas. O papel da juventude é colocar gasolina nessa indignação, escrachando todos aqueles que votaram pelo golpe e contra o povo brasileiro. É dever de cada lutador e lutadora denunciar esses golpistas e revelar o lado que estão. O corrupto Eduardo Cunha deveria estar preso e não poderia ter conduzido o processo de impedimento de uma presidenta eleita democraticamente e sem nenhum crime de responsabilidade. Precisamos revelar que o plano do conspirador Temer é vender o Brasil e destruir os direitos trabalhistas e sociais.  Sabemos que eles têm a grande mídia golpista. Porém, eles não têm as ruas. A rua é nossa, a rua é do povo e a verdade dessa história estamos revelando quando permanecemos mobilizados. Estamos ampliando cada vez mais a nossa luta e a tendência é aumentar cada vez mais. Precisamos construir o maior 1º de maio da história desse país e mostrar para as elites e para os golpistas que os trabalhadores vão parar o país e mandar assim um claro recado para o senado: Ou para o Golpe ou paramos o Brasil!

Viveremos e Venceremos!!!

Papo-reto


Páginas:12