Monthly Archives: junho 2017

Dia do Meio Ambiente – podemos comemorar?

Ontem, no dia 5 de junho, comemoraram no mundo inteiro, o Dia do Meio Ambiente. A data foi estabelecida em 1972, na Conferência de Estocolmo sobre o Meio Ambiente. Mas será que temos algo a comemorar neste dia?

Não é novidade pra ninguém que estamos vivendo uma profunda crise no nosso país. A cada dia um novo escândalo político, uma nova medida relâmpago como o congelamento dos investimentos sociais por 20 anos, a reforma do ensino médio, a reforma da previdência, o desmonte do Sistema Único e Saúde (SUS), e por aí vai.

O meio ambiente não fica de fora. O desmatamento da Amazônia volta a crescer após a aprovação do novo Código Florestal, as grandes cidades passam por racionamento de água, a Samarco/BHP/Vale destruiu uma região e contaminou um rio inteiro, a seca (e agora as enchentes) maltratou os camponeses no nordeste e o cerrado – sim, o bioma inteiro – pode desaparecer.

Por isso não falamos em apenas uma crise, mas sim em várias crises conjugadas: econômica, política, social e ambiental. Olhando assim, parece que esse monte de notícia não tem ligação nenhuma. Mas na realidade as razões pra tudo isso estão intimamente ligadas. Esses acontecimentos também não têm raízes só no Brasil. Eles respondem a mudanças internacionais e que nos afetam diretamente.

O lucro acima da vida

Desde 2008 vivemos uma profunda crise econômica que começou nos Estados Unidos e depois foi atingindo todos os países. Essa crise foi causada pela própria dinâmica de funcionamento do capitalismo atualmente que tem se tornado cada vez mais financeirizado, ou seja, que se preocupa em garantir seu lucro mesmo que seja sobre coisas fictícias. Os capitalistas continuam lucrando, mas menos do que gostariam, por isso buscam saídas não se importando com o preço que os trabalhadores precisem pagar.

Essas saídas, para eles, significam aumentar a sua capacidade de lucrar e isso acontece fundamentalmente das seguintes formas: a primeira é aumentando a exploração sobre a força de trabalho, ou seja, retirando os direitos trabalhistas e sociais, causando desemprego, fazendo as pessoas trabalharem mais por salários menores. A segunda maneira é se apropriar ainda mais dos recursos dos Estados nacionais, garantindo que todo o dinheiro arrecadado vá para pagar suas dívidas e financiar o seu investimento. A terceira, e que queremos chamar atenção, é atacar os bens naturais, ou seja, a terra, a água, as florestas, o petróleo, os minérios. As grandes empresas transnacionais ao se apropriarem dos bens naturais conseguem garantir o que chamam de lucro extraordinário, pois esses bens são produzidos pela natureza, bens comuns, necessários à todos, mas que passam a gerar lucros privados. Estes são os grandes interesses que estão em jogo.

Meio ambiente no Brasil
  • A maior biodiversidade do planeta: 2 milhões de especies de animais, plantas e fungos
  • Em 2016, foram desmatados 7.989km2 de floresta amazônica, o equivalente a mais de 2 mil campos de futebol por dia
  • Foram utilizados 890 mil toneladas de agrotóxicos no Brasil em 2015. É como se cada pessoa estivesse exposta a 4,3 kg de veneno durante o ano
  • O Crime da Samarco/Vale/BHP Billiton, em Mariana, despejou 55 milhões de metros cúbicos de lama e contaminou 850km do rio doce, de Mariana até o oceano. 19 pessoas morreram e milhares ficaram sem água e sem condições de pescar

Agronegócio – vilão do meio ambiente

Quando falamos em crise ambiental estamos nos referindo a uma série de situações combinadas: a degradação dos solos, a escassez de água, a perda de biodiversidade, o acúmulo de lixo tóxico, a redução das florestas e a poluição dos rios, as secas mais longas em várias partes do mundo, as mudanças climáticas, a acidificação dos oceanos, etc.

No Dia do Meio Ambiente são feitas várias atividades nas escolas, nas ONGs, nos programas de TV e vários outros espaços. No entanto, muitas vezes se coloca a culpa da crise ambiental no desperdício individual ou no papel de bala que é jogado no chão. Se fala que a culpa é de todo mundo e nós sabemos que quando a culpa é de todos, na verdade não é de ninguém. É claro que as ações individuais são importantes, mas elas estão longe de ser as principais causadoras dos problemas ambientais.

Dentre todos os vilões responsáveis pela destruição do meio ambiente, há um que merece todo destaque: o agronegócio. O agronegócio é um sistema de produção que funde todas as dimensões da economia capitalista: agricultura, indústria, comércio e finanças. É fácil reconhecê-lo, pois ele se fundamenta na grande monocultura, com uso intensivo de tecnologias como sementes modificadas, fertilizantes qúimicos, máquinas pesadas e agrotóxicos, e depende das multinacionais que fornecem essas tecnologias. Além disso, seu foco é produzir mercadorias, e não comida.

O agronegócio constrói um discurso de modernidade e sustentabilidade para tentar esconder a sua verdadeira essência que é concentrar a terra e explorar o ser humano e a natureza ao máximo. Por isso, não podemos falar de preservação do meio ambiente e de justiça social se não entendermos o papel do agronegócio e, consequentemente, sem fazer enfrentamento a ele.

Agronegócio, mineração e crise hídrica

Outra manifestação da crise ambiental é a falta de água, que tem provocado racionamento em grandes cidades como São Paulo e Brasília. O que a mídia não fala ao noticiar a crise hídrica é que a destruição do cerrado é uma das suas principais causas.

O cerrado é um dos biomas mais antigos do planeta, e é extremamente biodiverso. No entanto, desde a década de 1970, é também um dos principais espaços de expansão do agronegócio. O uso de máquina pesadas nas áreas de recarga dos aquíferos provoca compactação dos solos. Quando vêm as chuvas, a água não consegue infiltrar como antes e, como consequência, o nível dos aquíferos diminui. Sem os aquíferos para alimentar os rios, eles desaparecem. É importante ressaltar que a mineração também é uma grande responsáveis pela crise hídrica, pois é nas rochas que água fica armazenada para os períodos sem chuva.

Casos emblemáticos – agronegócio e meio ambiente
  1. Em 2013, um avião pulverizou agrotóxicos sobre uma escola na cidade de Rio Verde, no estado de Goiás. 100 pessoas, a maioria crianças, foram hospitalizadas com sintomas de intoxicação.
  2. Estudo da UFMT mostrou a contaminação generalizada na cidade de Lucas do Rio Verde, no Mato Grosso. Foram encontrados agrotóxicos na água da chuva, sangue e urina de professores, poços de água de beber, e inclusive no leite materno.
  3. No Mato Grosso do Sul, indígenas dos povos Guarani e Kaiowá que vivem na Terra Indígena Tey’i Juçu relataram em 2015 e 2016 ataques sofridos com a pulverização aérea de agrotóxicos sobre suas aldeias, acompanhadas de ameças de pistoleiros. Além de sofrer intoxicações, a água da comunidade foi contaminada.
  4. Após 3 anos trabalhando como misturador de agrotóxicos na empresa Del Monte, em Limoeiro do Norte (CE), o trabalhador Vanderlei Matos da Silva faleceu com diagnóstico de Insuficiência Renal Aguda, Hemorragia Digestiva Alta e Insuficiência Hepática Aguda. Em 2013, a Justiça reconheceu neste caso pela primeira vez a relação entre o manuseio de agrotóxico e a morte de um trabalhador.

Agricultura Familiar e Agroecologia defendendo a natureza

Quem olha a destruição do meio ambiente causada pelo agronegócio deve se perguntar: sempre foi assim? Por quanto tempo o planeta ainda vai aguentar?

Felizmente, desde que existe o agronegócio, existe também resistência e pessoas que lutam por uma outra forma de viver no campo e produzir alimentos saudáveis. Hoje, um número cada vez maior de camponeses está fazendo a transição para o modelo da agroecologia.

Como o próprio nome já diz, agroecologia é uma forma de fazer uma agricultura ecológica, em harmonia com a Natureza. Resgatando os conhecimentos do passado, e incorporando novas técnicas, a agroecologia não se limita à produção de alimentos: também fala de reforma agrária, igualdade entre homens e mulheres e preços justos para quem produz e quem consome.

Ao invés do monocultivo do agronegócio, a agroecologia propõe os cultivos consorciados e a agrofloresta. Desta forma, mantemos o equilíbrio do solo, pois se uma planta retira certo nutriente, a outra repõe. E com o ecossistema equilibrado, plantas e insetos que eram considerados pragas, agora convivem em harmonia com a produção.

A adubação é feita utilizando esterco de animais do próprio local, compostagem ou mesmo os chamados adubos verdes, que são plantas com capacidade de regenerar a fertilidade do solo.

A agroecologia também tem um papel fundamental na preservação da água. Além de não contaminar a água com agrotóxicos, os sistemas agroecológicos têm o poder de recuperar nascentes. Ao deixar o solo vivo e saudável, mantemos abertos os poros que levam a água da superfície para mananciais e aquíferos.

A agroecologia é um modelo de produção que enfrenta o agronegócio, pois tem como objetivo produzir alimentos saudáveis e não mercadorias. Além disso, ao invés de usar grandes extensões de terra concentrada na mão de poucos ruralistas, a agroecologia necessita que cada família camponesa tenha seu pedaço de terra para trabalhar.

As agroindústrias para processar os alimentos também são muitos importantes no sistema agroecológico, pois coloca nas mãos dos agricultores os instrumentos para agregar valor aos produtos fugir da grande indústria de alimentos.


Páginas:12