NOTA DE ESCLARECIMENTO SOBRE CASO DE MACHISMO NA BAHIA

Vivemos um momento marcado por uma ofensiva do conservadorismo que, na sociedade brasileira, é determinada pela articulação do racismo, do patriarcado e do capitalismo que se desenvolveu no país. É neste contexto que a vida dos/as trabalhadores/as, das mulheres, negros/as e LGBT são cindidas por relações que reiteram a exploração e a opressão. Reconhecendo o caráter estrutural dessas formas de opressão, o Levante Popular da Juventude se coloca num desafio permanente de construção de um projeto feminista, antirracista, colorido e popular para o Brasil. Por acreditarmos na necessidade e na viabilidade de construção de novos homens e mulheres, nos comprometemos com ações concretas que combatam o racismo, o machismo e LGBTfobia dentro e fora de nossa organização.

Com a certeza de que esses compromissos só tem sentido se os mesmos se refletem nas nossas lutas e na conduta de nossos militantes, nós, do Levante Popular da Juventude, viemos por meio desta nota esclarecer e reiterar a sua responsabilidade política e a solidariedade ao MAIS e a companheira que sofreu um ato de machismo cometido por um militante do Levante..

Sabemos que nenhuma organização de esquerda está imune a essas contradições. Por isso que desde o princípio, mesmo antes de apurar, nos responsabilizamos enquanto organização por esse processo. Vale ressaltar que o MAIS também teve a mesma atitude, expressando uma compreensão comum de que esse problema não é somente individual, mas coletivo e que assim deve ser o seu enfrentamento, sem excluir a necessária responsabilização individual, quando confirmada a denúncia.

Apesar da posição e empenho da nossa organização no acompanhamento do caso, o militante decidiu, unilateralmente, entrar com uma ação judicial por calúnia e difamação. Nesse sentido, exercitando a coerência com a linha política que construímos e com o compromisso assumido com o MAIS, nos esforçamos para que o militante compreendesse que não cabia manter uma ação judicial neste caso em que as organizações já haviam construído uma saída política. Essa compreensão prevaleceu e o militante decidiu retirar o processo.

Esses casos reiteram a necessidade e a urgência da luta contra o machismo, o racismo, LGBTfobia, combinada com o combate a ofensiva conservadora e neoliberal, de forma consequente e responsável, tendo em vista que a sua superação passa pelo enfrentamento diário e por lutas de massa que gerem transformações profundas e estruturais na sociedade.

LEVANTE POPULAR DA JUVENTUDE

 


Deixe seu comentario