Posts tagged with: Seminário Nacional

RUMO AOS 7 MIL! NO HORIZONTE, UM PROJETO POPULAR PARA A JUVENTUDE DO NOSSO PAÍS!

Animação, mística, força e luta marcaram o lançamento do 3° Acampamento Nacional do Levante Popular da Juventude. O evento aconteceu, em Belo Horizonte (24), durante o Festival Nacional de Arte e Cultura da Reforma Agrária e contou com a presença de militantes das cinco regiões do país.

O Acampamento Nacional é a meta síntese do Levante, é durante esse encontro que toda a militância se reúne em uma discussão coletiva sobre os rumos e aprofundamentos do movimento. O 3° encontro, que vai reunir, entre os dias 5 a 9 de setembro, 7 mil jovens no estádio do Mineirinho, em Belo Horizonte, tem como lema “Nossa rebeldia é o povo no poder!”

photo715570199401703506

Dada a largada para o 3° Acampamento Nacional do Levante Popular da Juventude

O tema resume a luta, desejo e meta do movimento. Diante da conjuntura política, onde vivenciamos um golpe contra a nossa democracia, e o avanço das forças conservadoras, enfrentado não só no Brasil, mas em todos os territórios que se opõe à exploração do capitalismo, nós Levante Popular da Juventude, entendemos que se faz urgente, mais do que nunca, colocar em prática um projeto popular para o Brasil, é o que afirma um dos dirigentes nacionais do movimento, Thiago Pará “Nós, a juventude da classe trabalhadora, carregamos dentro de nós um sentimento que é explosivamente rebelde, que é fruto de anos e anos de exploração, opressão e massacre. É esse sentimento de rebeldia, represado em cada um e cada uma de nós, que nos coloca a tarefa urgente de fazermos um acerto de contas com o imperialismo que subjuga e explora os nossos povos!” afirma.

O lançamento do evento é fruto de um seminário preparatório de construção do Acampamento. A formação, que aconteceu entre os dias 21 e 24 de julho, trouxe um panorama sobre a situação política e social do país, com análises de militantes como Ranulfo Peloso e Fernanda Jatobá – ambos do CEPIS, Frederico Santana – da Consulta Popular e também do internacionalista Umut Kocagoz da Organização Çiftçi-sen (Via Campesina) que falou sobre a situação dos jovens diante da tentativa de golpe na Turquia.

Entendemos que o maior desafio apontado para os nossos jovens é enfrentar a situação do nosso país propondo um projeto popular para o Brasil, através de uma plataforma de luta que articule todos os setores da juventude brasileira. Unifique o campo, a cidade e a favela em torno de uma proposta democrática e popular para o nosso país, que se dará, fundamentalmente através da implantação de uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Brasil.

Para Joceli Andreoli – Coordenador Nacional do MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens) o Levante aparece no cenário de luta nacional, como um norte para a juventude brasileira “Eles dizem que a luta terminou, nós dizemos ela apenas começou! Nós precisamos reconstruir um projeto que leve a cabo a revolução brasileira, pra nós nos emanciparmos enquanto povo nação e é nisso que a gente deposita a esperança no Levante. É pra isso que nasceu o Levante, é pra fazer a revolução brasileira.”

Em suas primeiras edições, os Acampamentos Nacionais do Levante, aconteceram no Rio Grande do Sul e em São Paulo, agora, é a vez de Minas Gerais. Para Andréia Roseno, militante da FETRAF, receber o evento no estado é um ganho para a luta dos mineiros “Minas Gerais está irradiada porque aqui nos estamos culminando alguns anos de luta. Precisamos de justiça para a juventude, precisamos de justiça para a classe trabalhadora!”

Além da FETRAF e do MAB, o evento também contou com a presença de representantes de outros movimentos parceiros ao Levante, como Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, a Marcha Mundial das Mulheres, a Pastoral da Juventude Rural, a Coordenação Nacional de Entidades Negras, Fora do Eixo entre outras entidades.


SEMINÁRIO NACIONAL CAROLINA MARIA DE JESUS: ESSA CASA É NOSSA!

Depois de uma imersão de 5 dias, estudando, debatendo e analisando as diretrizes para o 3° Acampamento Nacional do Levante Popular da Juventude. Saímos do Seminário Carolina Maria de Jesus, renovados na luta e certos de que este é o momento crucial para colocarmos em prática a nossa proposta de sociedade para o Brasil.

Dizemos e afirmamos que a “Nossa rebeldia é o povo no poder” por isso, neste 3° encontro que se aproxima, precisamos nos manter firmes na construção do projeto popular. Uma proposta de vida para a juventude brasileira que atue contra o genocídio da juventude negra, o racismo, machismo e a LGBTfobia. Que priorize a universalização e acesso ao ensino superior. Por uma proposta que forneça à nossa juventude trabalhos dignos, que não nos explorem. Um projeto que não subordine os jovens camponeses à migração, que garanta a eles o direto à terra. E que também contemple o acesso à cidade aos jovens que, majoritariamente, são marginalizados nas periferias do Brasil, bem como à saúde e à cultura. Que democratize os meios de comunicação, para que o nosso povo não seja manipulado por uma mídia corrupta.

photo715570199401703507Por fim acreditamos que o principal passo para esse nosso projeto é a consolidação de uma Constituinte soberana e exclusiva do sistema político brasileiro. É através do atual modelo de gestão do nosso país, que os nossos povos são explorados, marginalizados e violentados. É através do atual modelo de gestão do nosso país, que somos jogados no quarto de despejo.

O Acampamento Nacional em terras marcadas pela exploração do imperialismo

O crime de Mariana despejou por 826 km um rastro de lama que cheira a morte de nossas terras, roubadas pelo agronegócio, reviradas pela mineração, dos nossos rios drenados pelas barragens, das nossas cidades marcadas pela pobreza, violência e exclusão, da vida de jovens exterminados, de um sistema político nas mãos de uma elite corrupta e assassina, vendida ao imperialismo. Só a luta trará justiça para Mariana, só a luta mudará a vida! E a vida necessita ser uma nova vida! Por isso nós, jovens, do Levante Popular da Juventude nos movemos organizados em nossos bairros, comunidades, escolas e universidades por um novo projeto para o Brasil, um projeto popular!

O Acampamento Nacional será um momento importante na trajetória de lutas de Minas Gerais que traz em seu leito histórico a resistência do povo Borun contra a invasão colonial, o quilombo dos Ambrósios, a luta de Chico Reis pela libertação de cada homem e mulher escravizada, a resistência estudantil a ditadura militar, a resistência dos sem terra em Ariadnópolis, as greves dos professores do SindUTE, o picho no concreto, as marchas pelo asfalto.

Em setembro virá um Levante Popular da Juventude do Brasil inteiro para declarar com nossas cores, amores e saberes esse novo Brasil que nasce de nós, germina por nossas células, pela certeza que essa obra caberá somente ao povo brasileiro.

Encerramos o nosso Seminário Nacional Carolina Maria de Jesus com o compromisso de viralizar e enraizar um novo projeto de vida para a juventude brasileira, sem as marcas da exclusão social, econômica, política e cultural. Voltamos para os nossos estados marcados pela força e luta dessa mulher-trabalhadora-escritora que nos alertou: jogaram o nosso povo num Quarto de Despejo, mas somos a voz de milhares de jovens e eles não nos calarão, essa casa é nossa! O Brasil é nosso!

E será por esse exemplo de vida, com a mesma força e ousadia que mobilizaremos jovens de centenas de cidades para o 3º Acampamento Nacional! Em 2012 fomos mil, três mil em 2014 e agora seremos sete mil jovens.

Percorreremos rios e estradas, horas e dias, para chegar até Minas Gerais. O que nos move? O que nos faz um em meio a toda a nossa diversidade? É o peito que se enche de rebeldia, as cabeças que florescem sonhos e as mãos que chamam por outras mãos!

É tempo de avançar de mãos dadas! É tempo de acender a rebeldia e apontá-la para a tomada do poder!

A NOSSA REBELDIA É O POVO NO PODER!


SEMINÁRIO NACIONAL CAROLINA MARIA DE JESUS COMEÇA NESTA QUINTA

Inspirados pela história de vida, de luta e resistência de Carolina Maria de Jesus, o Levante Popular da Juventude realizará, entre os próximos dias 21 e 24, o 2º Seminário Nacional Carolina Maria de Jesus, em Belo Horizonte (MG).

O seminário, que reunirá mais de 200 jovens de todo o Brasil, tem como objetivo a preparação para o 3º Acampamento Nacional que tem como lema “A nossa rebeldia é o povo no poder!”, e acontecerá de 5 a 9 de setembro, também em Belo Horizonte, e pretende reunir 7 mil jovens.

Em um momento de crise econômica, política e social no Brasil, onde o governo golpista e entreguista de Michel Temer adotou uma agenda neoliberal e medidas antipopulares, que vem atacando os direitos das trabalhadoras e trabalhadores e ameaçando a soberania nacional, é fundamental que a juventude, que sempre esteve presente nos processos de transformação social em todo o mundo, se organize para lutar em defesa dos direitos do povo brasileiro.

Para Nataly Santiago, da coordenação do movimento, a saída para as crises que enfrentamos passa necessariamente pela construção de um projeto de sociedade, algo que as elites e governantes do Brasil nunca foram capazes de pensar e concretizar. “Superar a crise política só será possível através de mudanças profundas no sistema político brasileiro. Além da necessidade da realização de reformas estruturais, como a reforma agrária, urbana, tributária, entre outras, para melhorar a vida do povo”, comenta a militante.

A necessidade de construção de um programa político para a juventude

É preciso compreender a diversidade da juventude e os desafios que ela enfrenta, estando no campo ou na cidade, nas periferias, fábricas ou universidades. Sendo LGBTs, mulheres ou negros e negras, sujeitos e sujeitas que sofrem com a estrutura racista, patriarcal e capitalista da sociedade brasileira, que explora, domina e mata a juventude todos os dias. E nesse sentido, refletir e construir um programa político para a juventude, que leve em conta essa diversidade e as reais necessidades, é tarefa da juventude organizada.

Carolina Maria de Jesus: catadora de letras e inspiradora de luta.

Mulher, preta, favelada, mãe, catadora de lixo e escritora: Carolina Maria de Jesus é nossa homenageada. Foi moradora da favela do Canindé, em São Paulo nos anos 50, catava lixo como forma de garantir seu sustento e de seus 03 filhos, escrevia sua experiência em diários, nos papéis que encontrava no lixo.

Através de uma de uma perspectiva única, a de quem sente na pele a dor e o peso de ser uma mulher negra e pobre numa sociedade que tem bases racistas e machistas, Carolina utilizou os diários para falar das desigualdades sociais e sobre a condição humana. Falou da Cidade, a quem chamou de sala de visitas. Falou da favela, a qual chamou de Quarto de Despejo. Falou da fome, a quem deu a cor amarela.

É dessa mulher, que resistiu, lutou pra comer, pra viver, alimentar e manter vivos seus filhos, que morreu anônima como se não fora ninguém, que buscamos inspiração para resistir, organizar a juventude e lutar pela construção de uma nova sociedade, com novos valores e novas práticas, onde não haja exploradores e nem explorados.

Carolina se mantém viva nas palavras, nas ações, na resistência e no punho erguido de quem luta!