🎭 EM MEMÓRIA DE BOAL E O TEATRO DO OPRIMIDO 🗣️👣👀

🎭 EM MEMÓRIA DE BOAL E O TEATRO DO OPRIMIDO 🗣️👣👀

Augusto Boal (1931-2009), completaria hoje 90 anos! Ele foi um artista apaixonado pelo povo e pela revolução! Na década de 60 Boal dirigiu o Teatro de Arena, militou contra a ditadura militar, foi preso, torturado e exilado por fazer do teatro sua arma!

O Teatro do Oprimido foi construído por Augusto Boal, durante cerca de 30 anos de pesquisa e prática pelo mundo todo. Considerado um Teatro genuinamente brasileiro e latino americano, é praticado em cerca de 72 países. Ele foi uma revolução na forma de fazer e entender o teatro. Pois através de exercícios e jogos teatrais preparava atores e não atores para apresentarem no “palco” os conflitos sociais. No Brasil, o Teatro do Oprimido foi implantado entre 1986 e 1996, com o trabalho de um coletivo que Boal coordenou, com sede principal no Rio de Janeiro.

O arsenal do T.O é esquematizado através de uma árvore, que dá frutos e se multiplica, em seus ramos estão as diversas técnicas como o Teatro Imagem, Teatro Jornal, Teatro Fórum, Teatro Invisível e o Arco-íris do desejo.

Boal foi vereador no Rio de Janeiro, entre 1994 e 1997, e levou o teatro para o seu mandato! Formulou o Teatro Legislativo para produção de projetos de leis populares, entre eles um que inspirou a política de proteção às testemunhas! Augusto Boal militou junto ao MST e ajudou a construir a Brigada Teatral Patativa do Assaré. Essa brigada já possui 20 anos de atuação, organizando grupos de teatro em assentamentos e produzindo diversas peças. Ele tem uma vasta obra com ensaios, dramaturgias, crônicas. Quer uma dica de leitura? Teatro do Oprimido e outras poéticas políticas, Teatro como arte marcial, Estética do Oprimido, Jogos para Atores e Não atores,  e Revolução na América do Sul.

O Teatro do Oprimido convida quem assiste a se tornar um EspectAtor: A cena é considerada um ensaio pra vida real, um laboratório de intervenções e possibilidades onde se busca desnaturalizar as relações de opressão e mostrar que são mutáveis. Através dos jogos que desmecanizam a mente, o corpo e ativam a sensibilidade, o teatro do oprimido aperfeiçoado por Boal é um meio de reflexão e percepção crítica quanto à própria realidade de quem participa de suas peças. Ele é uma ciência nas mãos dos artistas que entendem a conscientização do povo como compromisso histórico. O Teatro do Oprimido não é a revolução em si, mas é sempre um ensaio para ela.

VIVA AUGUSTO BOAL!