Ana destaca vitória de militantes do Levante Popular

Na manhã desta terça-feira, 04/12, os seis militantes do coletivo Levante Popular da Juventude, que vinham sofrendo um processo judicial movido pelo Dr. José Carlos Pinheiro, compareceram à audiência no Tribunal de Justiça e tiveram a queixa-crime retirada pelo médico.

A deputada estadual Ana Lúcia (PT), que esteve solidária aos estudantes durante todo o processo, parabenizou a militância pela vitória, lembrou da importância da criação da Comissão da Verdade estadual, e disse que já tramita na casa legislativa proposta para que a Assembleia tenha essa Comissão, até para o fortalecimento da Comissão Nacional.

Ana relembrou um triste episódio de perseguição política sofrida pelos comunistas em Aracaju, em 1947, no governo de José Rollemberg Leite, tempo em que diversos vereadores e deputados tiveram seus mandatos cassados. Foi realizado um grande ato, organizado em frente ao antigo Cine Rio Branco pelos irmãos socialistas Carlos Garcia e seu irmão Antônio Garcia, onde o comunista Anísio Dario, carpinteiro e militante do Partido Comunista, acabou assassinado. Era 29 de novembro.

“Eu relembro este fato histórico porque ser da luta para a transformação da sociedade não é fácil. Ainda não estamos na plena democracia, porque a tolerância é muito pouca com relação aqueles que se rebelam contra a ordem estabelecida pelo capital”, refletiu.

A parlamentar aproveitou a oportunidade para agradecer ao Dr. José Carlos Pinheiro pela decisão madura de retirar a queixa-crime. “Eu fiz o apelo e ele atendeu. Então ele renunciou ao processo, e colocou que a Comissão da Verdade vai julgar. E está certo, porque ele argumenta que era um profissional de saúde da Marinha naquele momento histórico e teve um comportamento, agora ele teve um outro comportamento. É assim que a gente avança”, declarou.

A deputada estadual ressaltou que não se pode criminalizar a juventude, principalmente aqueles que têm a consciência de classe, que estão lutando por justiça e que tem coragem para se rebelar. “Essas mulheres jovens que estão aqui não só sonham, mas têm ação concreta dentro da realidade, buscando transformar essa realidade, trabalhando com outros jovens para que estes tenham autonomia, para que um dia a sociedade seja libertada”, afirmou.

Jessy Daiane, integrante do Coletivo Levante Popular e uma das pessoas processadas, explicou que as rodadas de escracho aconteceram em todo o país, e são movimentações para acelerar a formação das Comissões da Verdade nos estados.

Segunda ela, é através da revelação da identidade dos torturadores que a sociedade é informada e pressiona a criação da Comissão, que possa julgar os atos daqueles que contribuíram para as torturas nos Anos de Chumbo.

A militante ainda esclareceu que foi através de diversas movimentações e apoio, desde a primeira intimação até a última audiência, que foi possível chegar a um resultado positivo para o movimento. “A gente fez uma grande articulação. Depois de muita movimentação, ele retirou a queixa-crime e se submeteu a ser julgado pela Comissão da Verdade. É uma grande vitória porque quem vai apurar isso não é a gente e nem o Juizado Especial Criminal, quem vai apurar é a Comissão da Verdade”, anunciou.

Segundo Jessy, a luta agora é para que seja criada uma Comissão da Verdade estadual para que possam ser apurados esses crimes e investigado todo o processo da Operação Cajueiros.

Ato-show

Amanhã ocorrerá na Praça Fausto Cardoso um Ato-Show em solidariedade aos seis estudantes processados. Diversas entidades sindicais, movimentos sociais e partidos de esquerda estão apoiando o ato.

Diversos artistas do estado e até de fora estarão participando dessa manifestação, tais como Banda dos Corações Partidos, Alex Santana, Chico Queiroga & Antonio Rogério, Lupércio, Alunte e Pedro Munhoz (RS).