Cursinho popular cadastra pontos de apoio para inscrições de jovens no Enem

Cursinho popular cadastra pontos de apoio para inscrições de jovens no Enem
Cursinho popular desenvolve projeto para auxiliar jovens em situação de vulnerabilidade a se inscreverem no Enem - Arquivo/Podemos Mais

A pandemia mudou a rotina de estudos em todo o país e em todas as esferas, mas apenas evidenciou problemas estruturais que já eram enfrentados por estudantes da periferia, sem acesso à internet e em meio a uma avalanche de problemas socioeconômicos a serem vencidos.

De acordo com o Conselho Nacional da Juventude (Conjuve), de 8 em cada 10 jovens não prestaram a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) em 2020. Para a prova de 2021, as inscrições devem ser feitas no período de 30 de junho a 14 de julho.

Com o objetivo de driblar esses desafios, a rede de cursinhos populares Podemos+, uma iniciativa do Levante Popular da Juventude, abre inscrições a partir desta segunda-feira (28) para que entidades, movimentos sociais e pessoas de qualquer estado possam servir de ponto de apoio para os estudantes fazerem suas inscrições no Enem.

As dificuldades vão além do acesso às aulas, por isso a rede de cursinhos também arrecada alimentos e materiais de higiene. / Arquivo/Podemos Mais

A coordenadora nacional do Podemos+, Gheidlla Jheynnata Mendes, explica que o mutirão será realizado de duas formas: com pontos fixos espalhados pelos estados, com a ajuda daqueles que se inscrevem para serem voluntários, e também com atendimento tira-dúvidas de maneira remota, seja por ligação ou whatsapp, no caso daqueles que consigam acesso ao aplicativo.

Se de um lado os voluntários e voluntários podem se inscrever para colaborar como pontos de apoio, de outro lado, pessoas com dificuldades de fazerem suas inscrições podem pedir apoio por meio de um formulário online ou presencialmente em qualquer um dos pontos físicos que serão divulgados nos estados.

Esse é o segundo ano do mutirão de inscrições para o Enem realizado pelo Podemos+, mas Gheidlla aponta um novo obstáculo, que é o desânimo acarretado pelas condições precárias oferecidas no primeiro ano de pandemia aos estudantes.

Leia também: Artigo | O pior Enem da história

“Esse ano o nosso desafio é conseguir realizar essas inscrições para o Enem, para quem não tem acesso a computador, não tem acesso à internet e também para quem está desanimado e desanimada. Nós tivemos no ano passado o maior índice de abstenção da prova do Enem, de todo o seu tempo de existência”.

Outro agravante observado no último ano foram as mudanças e instabilidades no sistema de acesso ao exame, devido ao sucateamento e à redução de investimentos na área da educação, como explica Gheidlla.

“Muitos jovens também têm muitas dúvidas porque o sistema mudou, devido ao sucateamento da educação, sobretudo desses meios de acessar o ensino superior. Têm muitos problemas no sistema, então o mutirão também é para tirar dúvidas, para auxiliar, para fazer a própria inscrição da juventude e para trazer essa esperança e esse ânimo, de que é possível e que a gente continua na luta em defesa da educação e principalmente, agora, do Enem”.

::Negros são apenas 10% dos estudantes das 20 melhores escolas privadas no Enem::

Para mais informações as pessoas interessadas podem entrar em contato pelo email [email protected] ou pelo instagram @cursinhospodemosmais.

Educadores populares e educandos são inseridos em atividades de solidariedade. / Arquivo/Podemos Mais

Podemos+

A rede de cursinhos populares Podemos+ surgiu em 2017, por meio da partilha de iniciativas que já vinham sendo realizadas por jovens de todo o Brasil, durante o 3º Encontro Nacional do Levante Popular da Juventude.

Espaço estratégico de solidariedade, a rede é baseada nos princípios de educação popular propostos por Paulo Freire e tem atuação em 15 estados, com cerca de 50 turmas abertas e ação coletiva com educadores, educadoras e jovens que se inserem como educandos conscientes e organizados em movimentos estudantis.

“A gente queria construir um cursinho popular nessa metodologia de educação popular, que para além de preparar a moçada, pudesse também desenvolver uma consciência crítica e o desenvolvimento das capacidades criativas da juventude”, conta Gheidlla.

Para além de oferecer o acesso à educação, todos os agentes que compõem a rede dos cursinhos Podemos+ se inserem também em ações por direitos e igualdade, a exemplo da campanha nacional Vida, Pão, Vacina e Educação.

“Para nós, a luta pela educação é parte de uma luta cotidiana por direitos, por igualdade, por uma sociedade brasileira que seja mais humana, por isso não adianta só lutar por educação. Nesse cenário que estamos vivenciando, de um desmonte, de irresponsabilidade, de um projeto de Brasil que não é para o povo, nós queremos vacina para todos e todas já, pão nas mesas, comida no prato de todas as famílias”.

Edição: Rebeca Cavalcante

Via Brasil de Fato