Em Manaus, constituinte pra ter passe livre estudantil

Em Manaus, constituinte pra ter passe livre estudantil

por Hinaldo Castro, militante do Levante Popular da Juventude em Manaus.

Em junho de 2013 várias capitais brasileiras presenciaram manifestações, ais quais levaram milhões de pessoas as ruas e dentre esses milhões a maioria eram jovens. O centro das manifestações era a luta contra o aumento das passagens do transporte que deveria ser público, mas não é, e também a luta pelo passe livre.

Em Manaus não foi diferente,100 mil pessoas ocuparam a avenida Eduardo ribeiro no centro da cidade, e colocaram como centro também a pauta do passe livre.De 2013 para cá após estes grandes manifestos, o parlamento na esfera municipal, estadual e federal não conseguiu sequer dar uma resposta aos anseios expostos pela população.
A pauta do passe livre então volta a ser exposta ao parlamento neste ano (2015) como uma emenda à lei orgânica do município, encabeçada pelo vereador Waldemir José, do Partido dos Trabalhadores. Entretanto a pauta foi derrubada ainda na comissão que a debatia, e sequer foi avisado ao relator da proposta. O mesmo havia convidado os movimentos de juventude da cidade para pressionar o parlamento municipal, no anseio de que no dia 01 de setembro (Terça-feira) haveria a votação do passe livre estudantil, votação esta que não aconteceu, fazendo com que os movimentos ficassem com cara de bobo na galeria da câmara.
Não é difícil de entender o porquê de uma pauta tão importante como esta ser negada aos estudantes da cidade. Hoje no Brasil o parlamento esta submisso ao poder econômico, as grandes empresas, estas que bancam as campanhas dos candidatos e os mesmos quando ganham terão que retribuir o “Financiamento” feito. Analisemos por exemplo os aumentos abusivos das tarifas do transporte coletivo, o custo das grandes obras em Manaus, o não reajuste salarial para os professores, algumas escolas sem merenda e outras infinidades de benefícios que são negados ao povo trabalhador da cidade e do país.
Com toda esta estrutura política de não representação da classe trabalhadora nos parlamentos, podemos chegar a uma conclusão bem obvia, os políticos em sua maioria que aí estão, não nos representam, e se os mesmos não nos representam, precisamos de uma reforma política que garanta que a classe trabalhadora esteja representada no parlamento, pois do jeito que está, não pode continuar.
É neste sentido que temos que pautar a CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA SOBRE O SISTEMA POLITICO BRASILEIRO, simplificando um pouco o nome, este é um mecanismo encontrado pelos movimentos sociais para que a reforma política não seja feita pelos políticos que aí estão, mas que seja feita com o povo e para o povo, pois quem mais sofre com a falta de representação no parlamento hoje é o mesmo.

PARA MANAUS TER PASSE LIVRE, PAUTEMOS A CONSTITUINTE !!